Sunday, May 23, 2010

Coisas que tenho lido II

Estou lendo ultimamente muita coisa sobre Psicologia Transpessoal e um pouco de Carl Gustav Jung, além do um assunto que consiste de novas descobertas da Física e da Biologia, assim como pesquisas “psi” (“parapsicológicas”).
Estou lendo o livro “Caminhos Além do Ego”, um texto do Osho (o capítulo, “Introdução: O que é amor”, do livro “A Essência do Amor: como amar com consciência e se relacionar sem medo”) e li um texto do Louis Ricci sobre Psicologia Transpessoal.

Friday, May 14, 2010

Jung e Assagioli: Um paralelo entre os conceitos de persona e subpersonalidades - Parte I e II - Revisado

Jung e Assagioli

Tanto Carl Gustav Jung (1875-1961), quanto Roberto Assagiloli (1888-1974), foram psiquiatras que estudaram e desenvolveram o conhecimento psicológico, além de ambos terem estudado Psicanálise.
Jung, foi um psiquiatra suíço que criou e desenvolveu a Psicologia Análitica, conheçeu Sigmund Freud, o criador da Psicanálise e foi um de seus discípulos. Criou também conceitos como: arquétipo, inconsciente coletivo, complexo e sincronicidade. Trabalhou com outros conceitos importantes como: ego, sombra, anima, animus, persona e individuação (HALL, 1997).
Assagioli, foi um psquiatra italiano que recebeu a influência de Jung, criando e desenvolvendo a Psicossíntese que é:

um método de desenvolvimento psicológico e auto-realização para aqueles que se recusam a permanecer escravos dos seus próprios fantasmas interiores ou das influências externas, que não se deixam submeter passivamente, que não se deixam submeter passivamente à atuação das pressões psicológicas que se carregam dentro de si, e que estão determindados a se tornarem os mestres de sua própria vida (ASSAGIOLI citado por PARFITT, 1990, p.11).


Nas palavras de Will Parfitt:

A psicossíntese é um tipo específico de psicoterapia e, contudo, ainda é mais do que simples psicoterapia. É um conjunto de técnicas e exercícios elaborados que nos auxiliam a deixar o que não desejamos em nossa vida, aproximamo-nos do que mais almejamos. Não se baseia unicamente em teorias que integra princípios e técnicas de muitos outros sistemas direcionados ao crescimento pessoal (PARFITT, 1990, p.11).

Entre os trabalhos importantes de Assagioli, temos a síntese psíquica, as subpersonalidades, a cartografia da consciência chamada de "ovo do ser" e a vontade.
Podemos ver um paralelo entra a Psicologia Analítica e a Psicossíntese, pois ambas são consideradas linhas de Psicologia Transpessoal, contudo este artigo tem a intenção de comparar o conceito jungiano de persona com o assagioliano de subpersonalidades.

Persona e Subpersonalidades

Para definir persona, Hall (1997) nos diz que:

A persona é a função de relacionamento com o mundo coletivo exterior. Persona é um termo derivado da palava grega para "máscara", que comporta implicações quanto as máscaras cômicas e trágicas do teatro grego clássico. Qualquer cultura fornece muitos papéis sociais reconhecidos: pai, mãe, marido, esposa, médico, sacerdote, advogado etc. Esses papéis envolvem modos geralmente esperados e aceitáveis de funcionamento numa cultura, incluindo até com freqüência, certos estilos de vestuário e comportamento. O ego em desenvolvimento escolhe vários papéis, integrando-os mais ou menos na identidade do ego dominante (...) (HALL, 1997, p.23-24).

Para Parfitt (1990), temos diversas personalidades, sendo que:


(...) Cada uma dessas "pequenas personalidades" são conhecidas, na psicossintese, como subpersonalidades. Cada subpersonalidade tem um papel a desempenhar em nossa vida, e todos nós interpretamos diversos papéis, normalmente de pensamentos e sentimentos conflitantes a respeito de quem realmente somos e do que é melhor para nós.
Em um dado momento você é a "mãe" que prepara o filho para ir à escola. No momento seguinte já assume a posição de "dona de casa", lavando pratos. Um pouco depois, você se torna a "ginásta", na aula de aeróbica. E durante o almoço, é a "amiga" que faz companhia a alguém muito querido. Enquanto isso, seu marido transformou-se em "executivo". E à noite, quando estiverem juntos, serão "amantes" (...) (PARFITT, 1990, p.34-35).

Agora podemos notar as semelhanças entre os conceitos. Tanto a persona quanto as subpersonalidades são papéis que representamos, aí está a semelhança entre eles. Percebemos que enquanto a palavra persona é singular , diverge-se da palavra subpersonalidades, por ser plural, porém convergindo no significado que representa múltiplos papéis.

Saturday, May 01, 2010

"Time passes, thngs changes..." II

"Time passes, dreams die..."

- Autum Tears

Dia primeiro do mês e vim postar!
Em 8 de dezembro de 2006 disse aqui no Blog: “(...) até que deixei o gótico em segundo plano e a Psicologia Transpessoal emergiu para o primeiro plano nos últimos meses.”
Esse efeito está acontecendo novamente, mas mais voltado para a Visão Integral do que a Psicologia Transpessoal, mas de qualquer forma, integra-a.
Comecei a estudar mais Ken Wilber, autor de dois livros que já li (“O Espectro da Consciência” e “O Projeto Atman”), e estou lendo mais dois (“Transformações da Consciência” e “Espiritualidade Integral”).
Pretendo começar a estudar a Bíblia, iniciando pelos Salmos, mas por enquanto estou no primeiro Salmo ainda.
Estou mais voltado ultimamente para leituras diversas, terminar a monografia e a transformação da consciência
Terminei hoje de ler um conto do já famoso por aqui, Robert Anton Wilson (“RAW”), no livro “Futuro Proibido”, da editora Conrad. Gostei do texto, apesar de achar um pouco de exagero na escatologia de algumas partes.
Estou buscando escrever mais daqui para frente, não só no Blog, mas no geral.
Pretendo voltar também a uma Prática de Vida Integral (“ILP” – “Integral Life Pratice”) que considero que foi de muita ajuda em uma época da vida.
Dentre as coisas que estou lendo e aprendendo um pouco está o Budismo e a questão da impermanência no mesmo e como vimos acima com relação às postagens passadas: “Time passes, things change...”.